Compartilhar no facebook
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Idiomas

Menu
LOGOTIPO8
Compartilhar no facebook
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Idiomas

Menu
LOGOTIPO8

BISPO HOLANDÊS DENUNCIA A “NOVA RELIGIÃO” DO SÍNODO PAN AMAZÔNIA. CIMI É CONTRA A PROPRIEDADE PRIVADA

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email
Compartilhar no print
Bispo-holandês-1240

O bispo Robertus Mutsaerts, de Hertogenbosch, na Holanda, descreveu o Documento de Trabalho do Sínodo Pan Amazônico como promovendo a agenda eco-socialista do aquecimento global e transformações na Igreja como a ordenação de homens casados e mulheres.

Sínodo Pan Amazônia aponta para uma Nova Religião

O documento base Instrummentum Laboris faz uma “menção única de Jesus“,  escreveu Dom Robertus Mutsaerts em um post de quinta-feira em seu blog, “mas não como Filho de Deus e Salvador“, mas como “Jesus, o filósofo, revolucionário e hippie“.

Não há uma palavra sobre a obra da Redenção de Jesus ou sobre o arrependimento.
O bispo auxiliar da cidade holandesa do sul, conhecido coloquialmente como Den Bosch, — prossegue — ao negar a Revelação divina e ao reconhecer a superstição pagã como fonte de revelação, o Sínodo está traindo a “obra única de salvação de Cristo” e dizendo que existem “caminhos alternativos que levam à salvação“.

        Isso faz de Jesus “apenas um dos muitos” e “remove a Igreja de sua identidade como Ela sempre a entendeu“, elucida o bispo.

Progressismo e esquerdismo são verso e reverso da mesma medalha

A Eco-Teologia tem sua repercussão ou aplicação no campo temporal. Essa nova religião prega a abolição da propriedade privada, a comunidade de bens.  O legítimo desejo de lucro, de progresso é considerado como egoísmo.

Diz o Boletim do CIMI: “Os índios já vivem as bem-aventuranças. Não conhecem a propriedade privada, o lucro, a competição. Possuem uma vida essencialmente comunitária em equilíbrio perfeito com a natureza. Não são depredatórios, não atentam contra a ecologia. Vivem a harmonia. As comunidades indígenas são uma profecia futura para esse jeito novo de viver, onde o mais importante é o homem” (1).

Mais uma investida contra a propriedade privada:

“Foi observado que os povos Kaingang, Guarani e Xokleng (…) colocaram através dos séculos, como meta principal da própria existência, o homem. Por isso, vivem de maneira comunitária e as pessoas recebem uma educação permanente para a responsabilidade dentro do grupo.

“O valor da terra está essencialmente ligado ao homem, por isso é propriedade comum. O índio dono dessa imensa riqueza que é a de viver em fraternidade, repartindo os bens numa sociedade onde os marginalizados não existem, defronta-se com a sociedade civilizada.

“Nesta, o lucro, o acúmulo de bens, a propriedade são o centro do universo, e não o homem. Esta sociedade justifica, pelas próprias características que tem, a exploração de uma imensa maioria, por uma minoria. Fazem parte dessa maioria explorada, os grupos indígenas”. (2)

Comenta o Prof. Plinio: No Boletim do CIMI, “O sistema tribal é elogiado como ideal, abstração feita de qualquer consideração sobre Deus (a “meta principal da existência” é “o homem”, diz o CIMI), e pela nota comunista que o texto nele aponta: na sociedade tribal os bens são repartidos e a propriedade é comum”.

Tribalismo-indigena-rz

* * *

Concluímos nós, é ilusão pensar que as novas concepções religiosas do Sínodo da Amazônia envolvem apenas uma questão de Religião e enquanto tal são de âmbito exclusivo da Igreja.

Os neo missionários têm uma doutrina político-social igualitária, comunitária, contrária à propriedade, ao desenvolvimento e civilização, ao reto aproveitamento das riquezas postas por Deus na natureza.

Diz a Escritura Sagrada, que o homem é o Rei da Criação: Crescei e multiplicai-vos, e enchei a terra, e sujeitai-a, e dominai sobre os peixes do mar e sobre as aves do céu, e sobre todos os animais, que se movem sobre a terra” (Gen. I, 28).

Mas os promotores do Sínodo revolucionam o ensinamento da Biblia, do Magistério da Santa Igreja e pregam que o homem deve integrar-se à natureza, interagir com a mãe terra. Em outras palavras têm uma doutrina panteísta.

Estejamos confiantes nas palavras de Nossa Senhora em Fátima: “por fim o meu Imaculado Coração Triunfará” e as “portas do inferno” não prevalecerão contra a Santa Madre Igreja.

      • Fonte: https://www.churchmilitant.com/news/article/dutch-bishop-blasts-synod-for-promoting-pantheism-and-making-jesus-a-hippie
      • (1) – Assembléia Nacional de Pastoral Indigenista: em debate a situação indígena
        em nível nacional. “Boletim do CIMI”, ano 4, no. 22, julho-agosto de 1975.
      • (2) – Encontro discute situação indígena da Região Sul, “Boletim do CIMI”, ano 4, no.
        22, julho-agosto de 1975.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email
Compartilhar no print

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Enter Captcha Here : *

Reload Image